Micose vaginal: quais os sintomas e como diminuir os riscos?

Aproximadamente 75% das mulheres têm r uma micose vaginal1 pelo menos uma vez durante a sua vida. E uma em cada duas mulheres apresentará mais do que um episódio. Isto preocupa-a? Podemos ajudá-la a evitar esta infeção vaginal!

 

 

O que é uma micose vaginal?

 

A micose vaginal é uma infeção vaginal muito frequente nas mulheres. Deve-se a um fungo microscópico, na maioria dos casos ao Candida albicans.

 

 

Quais são os sintomas das micoses vaginais?

 

A presença de uma micose vaginal pode ser diagnosticada por sintomas, tais como vermelhidão, e prurido na região vulvar, frequentemente associados a corrimento branco e espesso.

 

 

O que causa uma micose vaginal?

 

Como todas as “zonas expostas” do organismo, a vagina é tem um conjunto de germes protetores, o ecossistema bacteriano, apelidado de flora vaginal. Todas essas bactérias vivem em “harmonia”, a não ser que algum fator exterior perturbe este frágil equilíbrio. Se tal acontecer, o fungo da família candida – que existe em situações normais está presente numa quantidade reduzida na vagina – pode proliferar. E que pode dar origem a uma micose vaginal.
Quais são os principais fatores de risco?

  • Uma higiene desadequada ou um excesso de higiene íntima;
  • A menopausa;
  • A diabetes;
  • A utilização de antibióticos.

 

 

Como tratar uma micose vaginal?

 

O tratamento consiste na aplicação de um óvulo intravaginal antifúngico associado a um creme antifúngico (como a micose é vaginal e vulvar, tal evitará quaisquer recorrências). Só o seu médico poderá prescrever-lhe um tratamento adequado.

 

 

Quais são os cuidados complementares aos tratamentos recomendados em caso de micose vaginal?

 

É recomendada a utilização de um produto de higiene íntima de manhã e/ou à noite (com pH ligeiramente alcalino).

 

 

Que práticas diárias me podem ajudar a prevenir as micoses vaginais?

 

Utilize diariamente produtos de higiene adequados à zona vaginal sem sabão e com um ativo calmante. Poderá também recorrer a um tratamento com probióticos vaginais que a ajudarão a reequilibrar a sua flora vaginal.

 

 

1) Sobel JD, Faro S, Force RW, Foxman B, Ledger WJ, Nyirjesy PR, Reed BD, Summers PR. Vulvo-vaginal candidiasis : epidemiologic, diagnostic and therapeutic considerations. Am J Obstet Gynecol. 1998 Feb ; 178(2) : 203-11. Review.

Ce site utilise des cookies pour vous offrir le meilleur service. En poursuivant votre navigation, vous acceptez l'utilisation des cookies.